Portos da Madeira

 

LIGAMOS MUNDOS, UNIMOS PESSOAS!

 

OUT

Portos da Madeira reabrem aos cruzeiros

O Conselho do Governo Regional da Madeira decidiu autorizar a acostagem e fundeadouro de navios de cruzeiro nos portos da região, embora persistam alguns condicionalismos, devido ao controle da COVID-19.

A Resolução 772/2020, aprovada no Conselho de governo de quinta feira e hoje publicada no JORAM, determina que os embarques, desembarques e vinda a terra de passageiros e tripulantes serão analisados caso a caso e estarão condicionados ao parecer da Autoridade de Saúde e às condições por esta definida.

A Presidente do Conselho de Administração da APRAM, SA, Paula Cabaço, considera que "estão assim criadas condições para a escala do Seadream I, prevista para o próximo dia 24 deste mês, um navio pequeno, com 100 passageiros que esteve a operar durante todo o verão."

Esta operação passa pelo conhecimento dos protocolos do navio e da Autoridade Portuária, além do cumprimento dos requisitos exigidos pela IA-Saúde como a exigência de realização de um teste PCR no último porto de escala. Os testes PCR são testes de diagnóstico que pesquisam o virus SARS-Cov-2, o que em caso positivo significa que havia uma infeção ativa quando a amostra foi obtida.

Paula Cabaço defende qe a decisão do Conselho de Governo agora publicada, "vai permitir à APRAM dar continuidade comercial aos muitos contactos das companhias, feitos nas últimas semanas, para saber do interesse da Madeira em figurar nos seus itinerários. A reabertura dos portos da Madeira aos cruzeiros é  um sinal inequivoco de confiança e a reafirmação de que a região continua a apostar neste mercado que antes da pandemia, representava um movimento de quase 600 mil passageiros e mais cerca de 200 mil tripulantes, numa média de 300 escalas anuais."

 

 

 

Ler mais...
 
SET

Porto do Funchal: obras concluídas

 As obras de manutenção e reabilitação do Porto do Funchal estão concluídas, faltando apenas colocar as defensas na rampa do ferry que terão lugar no início do próximo ano, anunciou hoje a Presidente do Conselho de Administração da APRAM.

Paula Cabaço lembrou que estas obras de grande intervenção, visitadas pelo Presidente do Governo Regional da Madeira no último fim de semana, são essenciais para o normal funcionamento deste porto, seja na operação da linha regular entre a Madeira e o Porto Santo como na vertente dos cruzeiros. Acabaram mais cedo do que o previsto, porque foi aproveitado o período de confinamento do Porto do Funchal, devido à COVID-19.

O investimento de mais de cinco milhões de euros, feito em contrato programa com  a Vice Presidência do Governo Regional, ao abrigo do Fundo de Coesão Nacional, abrangeu o reperfilamento do manto de proteção, com 1400 novos tetrápodes de 25 toneladas, preenchimento da loca, uma cavidade existente entre o Forte de S. José e o Forte de Nossa Senhora da Conceição e o preenchimento de outra cavidade sob a rampa RO-RO.

A Presidente da APRAM lembrou que “há 27 anos que o manto de proteção do molhe sul do Porto do Funchal não recebe qualquer intervenção. Por isso, o Governo Regional reconheceu a urgência na realização destas obras que se iniciaram no ano passado. “

“Este tipo de intervenção impõe-se fazer regularmente como mandam as boas práticas de manutenção deste tipo de infraestruturas e obriga a um conhecimento e experiência altamente especializada em obras marítimas, com alguma complexidade,” referiu ainda Paula Cabaço.

Neste investimento inseriram-se também a substituição dos cabeços de amarração nos cais 2 e 3, pois os que lá estavam eram antigos, apresentavam um elevado grau de deterioração e uma reduzida capacidade de carga, face à nova tipologia de navios de cruzeiro que procuram o Porto do Funchal.

A fase prévia destas obras implicou vários estudos e levantamentos topo-hidrográficos, incluindo a realização de uma série de filmagens subaquáticas, de modo a determinar com precisão, as intervenções a efetuar.

As obras de manutenção e reabilitação do Porto do Funchal estão concluídas, faltando apenas colocar as defensas na rampa do ferry que terão lugar no fim da época alta, anunciou hoje a Presidente do Conselho de Administração da APRAM.

Paula Cabaço lembrou que estas obras de grande intervenção, visitadas pelo Presidente do Governo Regional da Madeira no último fim de semana, são essenciais para o normal funcionamento deste porto, seja na operação da linha regular entre a Madeira e o Porto Santo como na vertente dos cruzeiros. Acabaram mais cedo do que o previsto, porque foi aproveitado o período de confinamento do Porto do Funchal, devido à COVID-19.

O investimento de mais de cinco milhões de euros, feito em contrato programa com  a Vice Presidência do Governo Regional, ao abrigo do Fundo de Coesão Nacional, abrangeu o reperfilamento do manto de proteção, com 1400 novos tetrápodes de 25 toneladas, preenchimento da loca, uma cavidade existente entre o Forte de S. José e o Forte de Nossa Senhora da Conceição e o preenchimento de outra cavidade sob a rampa RO-RO.

A Presidente da APRAM lembrou que “há 27 anos que o manto de proteção do molhe sul do Porto do Funchal não recebe qualquer intervenção. Por isso, o Governo Regional reconheceu a urgência na realização destas obras que se iniciaram no ano passado. “

“Este tipo de intervenção impõe-se fazer regularmente como mandam as boas práticas de manutenção deste tipo de infraestruturas e obriga a um conhecimento e experiência altamente especializada em obras marítimas, com alguma complexidade,” referiu ainda Paula Cabaço.

Neste investimento inseriram-se também a substituição dos cabeços de amarração nos cais 2 e 3, pois os que lá estavam eram antigos, apresentavam um elevado grau de deterioração e uma reduzida capacidade de carga, face à nova tipologia de navios de cruzeiro que procuram o Porto do Funchal.

A fase prévia destas obras implicou vários estudos e levantamentos topo-hidrográficos, incluindo a realização de uma série de filmagens subaquáticas, de modo a determinar com precisão, as intervenções a efetuar.

 

Ler mais...
 
OUT

Cais do Porto Moniz: mais segurança e conforto

O vice-presidente do Governo Regional, Pedro Calado, visitou, hoje, a intervenção, agora finalizada, de beneficiação no Cais do Porto Moniz, que vem permitir o melhoramento das condições de segurança e conforto no embarque e desembarque de passageiros dos barcos das atividades marítimo-turísticas.

Como explicou o governante, a obra, da responsabilidade da Administração de Portos da Madeira – APRAM, consistiu na montagem de um passadiço no referido cais, através da instalação de guias metálicas com sistema de engate, que permitem que esta estrutura se adapte ao nível da maré.

Este passadiço é amovível e será retirado no fim da época da operação, de forma a salvaguardar a sua integridade durante o período de inverno, caracterizado por uma ondulação marítima mais forte e pela possibilidade de temporais.

De acordo com o vice-presidente, esta pequena intervenção, com um custo total de 35 mil euros, vinha sendo solicitada e é muito importante para as empresas turístico-marítimas que operam naquele concelho nortenho que, neste momento, são já quatro e continuam a aumentar.

Saliente-se, aliás, o aumento da procura por parte deste tipo de embarcações marítimo-turísticas para a utilização dos cais adstritos à APRAM, nos diferentes concelhos da Região, à qual o Governo Regional tem procurado corresponder, através da realização de diversas intervenções nas suas infraestruturas, contribuindo assim para a dinamização económica destes concelhos e para a sua valorização do ponto vista turístico.

O Porto Moniz encontrava-se mais afastado deste tipo de atividade turística, sobretudo pela falta de condições. Com esta intervenção, a acessibilidade marítima das embarcações fica facilitada, promovendo o crescimento desta área de negócio e potenciando o turismo na costa norte.

Atualmente, a Madeira tem cerca de 75 entidades licenciadas nesta área de atividade, o que representa um volume de negócios entre os 6 e os 8 milhões de euros por ano e que empregam mais de 500 pessoas por toda a Região.

Durante esta visita, o Vice-presidente reuniu-se com algumas forças vivas do concelho, por forma a verificar outros melhoramentos que podem ser realizados, nomeadamente no que se refere ao abastecimento de água e ao fornecimento de energia elétrica às embarcações, bem como a conciliação de interesses com a própria Lota no que diz respeito ao reservatório de combustível e ao acesso, quer das atividades marítimo-turísticas, quer das embarcações de pesca.

Ler mais...
 
SET

COVID-19: Plano de Gestão para os Portos da Madeira

O Vice-Presidente do Governo Regional, Pedro Calado, e a Presidente da APRAM - Administração de Portos da Madeira, Paula Cabaço, estiveram reunidos, esta tarde, com os diversos agentes de navegação regionais, para apresentar o Plano de Gestão para o Porto do Funchal e para o Porto do Porto Santo, enquanto portos de cruzeiros.

Recentemente aprovado pela Autoridade de Saúde Regional e em conformidade com todas as diretivas europeias de saúde e segurança no âmbito do COVID 19, o documento desenvolvido pela APRAM procura clarificar os armadores de navios de cruzeiro e de iates sobre quais os procedimentos a adotar na operação portuária, sempre que houver um navio nos portos da Região.

Como explicou o Vice-Presidente aos diversos stakeholders presentes, trata-se de um plano operacional, que permitirá às companhias de navegação saberem como proceder nos portos do Funchal e do Porto Santo e como deverão articular esses novos procedimentos com os seus próprios protocolos.

“Em tempos de pandemia”, reforçou o governante, “este é um documento para o desenvolvimento comercial da nova abordagem ao mercado de cruzeiros e, simultaneamente, uma garantia de segurança sanitária para os passageiros dos navios que nos visitam, bem como para a população da Região Autónoma da Madeira”.

O Plano de Gestão foi elaborado durante os meses de junho e julho, na sequência das primeiras orientações emanadas pelas autoridades marítimas e de saúde internacionais, tendo sido aprovado no passado dia 25 de agosto. A proposta agora apresentada determina a gestão de fluxos de passageiros e tripulações na área portuária, bem como os seus níveis de acesso a essa área e os procedimentos adotados em terra ao embarque, desembarque e circulação de passageiros, tripulantes e visitantes. Faz igualmente referência aos procedimentos de desinfeção, controlo de temperatura, sinalética a ser adotada, assim como os novos equipamentos a serem utilizados. 

De acordo com Pedro Calado, o Plano ainda não está fechado, encontrando-se em constante atualização, de acordo com a avaliação epidemiológica da Região e com a evolução das orientações sanitárias.

“Os agentes de navegação são os nossos parceiros no trabalho comercial com as companhias de cruzeiros. Por isso, após este Plano ter sido aprovado pela Autoridade de Saúde da Região, considerou-se que estava na altura de o dar a conhecer e pedir contributos junto de quem, em conjunto com a APRAM, o pode divulgar”, rematou o governante.

Ler mais...
 

 

 

FaLang translation system by Faboba